terça-feira, 16 de novembro de 2010

#9 LETTER TO SOMEONE YOU WISH YOU COULD MEET

(Conhecer?
Gostava de me conhecer.
Ir mais além que o próprio reflexo do espelho.
Não sou uma cara, um corpo, um ser físico e exterior.
Sou mais que isso. Um ser psicológico e interior.
Penso demais. Sinto demais. Facilito de menos. Descomplico de menos.
Sou o que sou, e nada do que sou é simples.
Por isso mesmo, não me conheço num todo mas sim em partes que vou descobrindo dia-a-dia.
Como tal, esta carta é dedicada a mim mesma, ao que conheço de mim e ao que não conheço)


Minha querida Eu

Afinal quem és tu? O que queres da vida?
Ás vezes és o que não queres ser, outras nem sabes o que és.
Confundes-te um pouco, não? Até a mim me confundes.
Vendo-te daqui de fora, és até um certo ponto determinada, não és? Mas suficientemente determinada, ou só parcialmente?
És uma pequena incógnita, que de vez em quando, certas pessoas tentam decifrar, te cercam e se interrogam  contigo. Mas tu não cedes, pois não? Raramente cedes. Nem a ti própria te deixas ceder, com medo de não saber voltar ao normal.
Queres de ser fria? Parece. Mas no fundo, no fundo, gostas de sentir o coração aconchegado.
Adoras ver os teus amigos sorrir? É aquilo que te dá mais encanto, saber que os deixas felizes e no entanto, tens vergonha de o mostrar.
Oh minha querida, és complicada, não és?
És tão complicada que tens medo de tomar decisões e quando o fazes, procuras nunca sair magoada, o que geralmente não acontece.
Tens azar? Tens algum. Mas por outro lado não deixas de ser feliz, pois não?
Penso que és feliz, e que tens muito medo de perder esse certo equilíbrio que conquistaste, às vezes sozinha outras com a ajuda dos que te amam.
Mas também já viveste e aprendeste muito, não é verdade?
E o que te disse a vida? Para te sentares e desistires? Penso que não.
Por isso, é que mesmo que as lágrimas te escorram pela face, pensamentos melhores aparecem para te sararem as feridas feias, e te põem de pé num abrir e fechar de olhos.
És forte? És. Quando queres muito uma coisa, dás tudo para a conquistar e é disso que tenho mais orgulho em ti.
Foi aí, esse ponto de ti que eu conheci, que me fez gostar mais de ti.
Sim, gosto de ti, gosto de nós, gosto de mim.
Sim, porque se eu não gostar de mim, quem gostará?


SR


11 comentários:

SaraTeixeira disse...

Infelizmente, a maior parte das vezes, quando faço algo de jeito a nível de escrita, é quando estou assim.

● mf ● disse...

muito bom !
escreve mesmo , eu fico o:

Aleex disse...

gostei !

Ana Silva disse...

Obrigada (:
Gostei muito ..

SaraTeixeira disse...

Acredita que entendo o que me dizes, entendo mesmo ;|

RuteRita disse...

LINDOO
força meu doce <3
muito obrigada <3

SaraTeixeira disse...

Se dependesse de mim, juro que ninguém me via assim, acredita em mim.

V. # disse...

amei ! :o

Sara Martins disse...

linda carta pequenina <3

danó disse...

amoooor, como tens andado ?
é claro que não gosto, ele cada vez se torna mais infantil, e trata-me super mal e depois vem-me pedir desculpa a dizer que foi a ultima vez, omg, achas isto normal amor? qe merd*
adoro-te fofinha (L)

Diana disse...

obrigada pequena :3