domingo, 29 de agosto de 2010

Ser o que somos

Ela sentou-se e perscrutou o infinito.
Na sua mente só uma coisa era certa. Tinha agido com a alma. E quando isso acontece, quando agimos segundo vontades do “nosso eu” mais escondido e profundo, chamado coração, simplesmente não há arrependimento, apenas um alívio de termos sido, sem falsidades ou enganos, aquilo que realmente somos.

5 comentários:

- Silvia ♔ disse...

- cada vez gosto mais do teu blog !
- parabéns (:

- Silvia ♔ disse...

Obrigado (:

danó disse...

que lindoo *.*

danó disse...

olha quem fala minha querida :$
beijinhos*

Mariana disse...

espetacular